Quinta-feira, 10 de Abril de 2008

O trabalho, os labirintos teóricos e a realidade...

Ainda a propósito do trabalho, no sítio da empresa de formação Nova Etapa estão alguns artigos sobre o trabalho e a formação profissional que são espelho da realidade actual, dos quais transcrevo aqui dois.

 

Esta Irrealidade do Quotidiano Axfixia os Ambientes de Trabalho
Sermos nós próprios pressupõe que nos oponhamos como diferentes relativamente aos outros. No entanto, muitos argumentam que para ter ideias próprias e viver de acordo com elas é preciso ter um espírito forte. Muitos preferem envolver-se em astúcias subtis e seguir intrincados novelos para não cometer erros, do que comprometer-se com as suas ideias. Utilizam palavras que paulatinamente ganham ou perdem sentido de acordo com as conveniências da ocasião. Manda a prudência que se fale assim ou assado, dizem!

Esmaga-se se preciso for, com a eficácia de um bulldozer o próprio pensamento para se conseguir por meios indirectos o que se pretende atingir.

O carrasco passa a vítima e o rejeitado a todo poderoso. As organizações arruínam-se, mas a sua ruptura torna-se lucrativa. As pessoas capazes são postas à deriva, em vez de serem recompensadas.

A falta de coerência faz com que se seja indiferente ou não se acredite no que se ouve. Procura arrancar-se do outro o que se deseja sem se confessar abertamente. Se for preciso caminha-se por labirintos teóricos. Especula-se sobre o que o outro queria dizer e não sobre o que disse, argumentam que ele transmitiu uma mensagem diferente daquilo que foram as suas palavras. E quando se pergunta directamente o que é que ele queria dizer, diz-se que não se sabe, mas, que o sinal foi muito claro. Avança-se no sentido oposto ao da realidade. Ignora-se o que ambos sabem e o que cada um sabe que o outro sabe. Ninguém estuda a incompreensão, porque o problema pode não ser da falha em si, mas das suas consequências.

Precisa-se do Enriquecimento dos Postos de Trabalho

A vida das pessoas parece ter acompanhado a sequência vertiginosa imprimida pelas Novas Tecnologias, e já não se dão conta de que caminham para o automatismo. Fazem os mesmos percursos, os mesmos gestos, e quase repetem as mesmas palavras às mesmas horas. Se se lhe perguntar porque trabalham, não admira que lhe digam: porque tem de ser.

Uma mente demasiado ocupada, às tantas já não sabe o que sente. Preocupação, divertimento, indiferença, interesse, angústia, entusiasmo, apatia, temor ou vergonha.

O trabalho rotineiro não ocupa a mente das pessoas põe obstáculos ao desenvolvimento pessoal e à tomada de decisão. Se ao menos se criassem espaços de convívio.

António Mão de Ferro

.Quem é esta criatura?

» Politica de Privacidade

.Pesquisar nesta barbaridade

 

.Abril 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30

.Desabafos recentes

. Vídeo do dia - Ontem, dia...

. Bem-vinda Primavera, que ...

. O Plano D...

. Pensamento profundo do di...

. Politica de Privacidade

. Pensamento profundo do di...

. Um Feliz Natal para todos...

. Pensamento profundo do di...

. Pensamento profundo do di...

. A felicidade, somos nós q...

.Desabafos arquivados

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

.Disto é que eu gosto!

. Espirrar em triplicado...

. Borboleta

. Jovens Mandarins com apen...

. Periquito bébé - Abril de...

. Madruga e verás, Trabalha...

. Vídeo do dia - Star Wars....

. Vídeo do dia - Uma gata q...

. Fantásticas imagens de ca...

. Ideias bizarras, úteis, i...

. O "jet-set" moçambicano -...

.tags

. todas as tags

.Ligações perigosas

blogs SAPO